Blog

Dia do Orgulho Autista reforça a importância da valorização dos direitos

autista
#DescriçãodeImagem #ParaCegoVer #PraTodosVerem A imagem tem fundo azul.  Seu título é :Lei Romeo Mion – 18/06 Dia do Orgulho Autista.  Apresentando dois planos diferentes, mostra ao fundo ,uma criança de pele branca, deitada, sorrindo.  Em primeiro plano há a moldura de uma casa nas cores vermelho, amarelo, branco, preto e laranja e tons de verde e azul. Dentro dessa moldura, há um carrinho azul. No canto esquerdo inferior está a logomarca do site e uma foto em miniatura da autora do artigo junto ao laço símbolo do autismo. 

O último sábado (18), foi o dia escolhido para celebrar o Orgulho Autista. A data foi instituída pela organização britânica Aspies for Freedom em 2005, com o objetivo de comemorar a identidade autista e também, valorizar as multidisciplinaridades que o Transtorno do Espectro Autista (TEA) apresenta. 

Aqui no Vivendo A Diferença, eu já  trouxe uma matéria sobre o autismo, onde mostro um livro sobre o assunto, desenvolvido pelo Programa de Atenção Interdisciplinar ao Autismo (PRAIA) da UFMG.

Em alusão a data, escolhi para esta publicação, uma entrevista do comunicador Marcos Mion ao programa “Conversa Com Bial”, exibido pela Rede Globo de Televisão em 1° de abril. Desse modo, trarei assuntos abordados na ocasião como referência. 

Marcos Mion é pai de um hoje, adolescente com autismo, o Romeo, de 17 anos de idade. 

Os níveis de autismo e o diagnóstico tardio 

O TEA pode ser classificado em três níveis diferentes, de acordo com o grau da necessidade de suporte que a pessoa com autismo vir a apresentar:

Nível 1 – leve: pedem pouco suporte; nível 2 – Moderado: necessitam de apoio e nível 3 – severo: exigem mais atenção.

No entanto, Pedro e Marcos salientaram que dentro dessa classificação, existem inúmeras gradações. 

O Romeo atualmente apresenta o grau de leve do autismo e isso foi conquistado por meio de um processo de evolução. Ele recebeu seu diagnóstico tardiamente, por volta dos oito anos de idade.

O diagnóstico tardio é um dos principais problemas enfrentados pelas pessoas autistas e seus familiares, pois o atraso pode interferir diretamente no seu desenvolvimento intelectual e social. Marcos fez questão de destacar que o diagnóstico tardio se deve ao fato de haver sempre uma forma de evitá-lo:

“Todo pai e mãe que tem uma criança com características do autismo, desconfiam que o TEA é presente, mas sempre tem alguém que traz uma desculpa para dizer que pode não ser”, relatou.

O livro “A Escova de Dentes Azul”

Dia do Orgulho Autista reforça a importância da valorização dos direitos 1
#DescriçãodeImagem #ParaCegoVer #PraTodosVerem A imagem tem fundo azul claro. Se tratada capa do livro A Escova de Dentes Azul que é uma ilustração mostrando uma criança de pele branca e cabelos negros. acima está escrito o título do livro  na cor azul escuro dentro de um balão branco com uma escova de dentes.

Na posição de pai de um autista, o apresentador escreveu um livro para Romeo. Intitulada “A Escova de Dentes Azul”, a obra voltada para o público infantil, foi escrita com o intuito de explicar o que é o autismo para as crianças. 

Segundo Marcos, a motivação para escrever o exemplar, surgiu do receio que de que os irmãos de Romeo, Donatella, 13, e Stefano, 11, tivessem qualquer tipo de sentimento negativo para com ele:

“Eu escrevi esse livro, pois eu tinha medo que meus filhos neurotípicos tivessem algum sentimento que não fosse bom com relação ao irmão, seja pena ou qualquer outra coisa”, contou.

Assim sendo, o comunicador optou por colocar os autistas na condição de super-heróis no livro. Utilizando-se da grande conexão que as pessoas com autismo têm com a natureza:

“Os autistas estão em paz quando em contato com a natureza, e se conectam com ela de uma forma que nós não nos conectamos. O Romeo, ludicamente, conversa com os animais e eu coloquei isso como um super poder”, disse.

E sua estratégia foi bem sucedida:

“Quando acabou a conversa, o Stefano perguntou por quê ele não tinha super poderes também”, disse.

A Lei Romeo Mion

A Lei Romeo Mion foi um grande passo alcançado em 2020, como uma maneira de garantir que os autistas tenham livre acesso aos direitos garantidos a eles na Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. (Fonte: Agência Senado).

A carteira de identificação exclusiva para o autista

A lei estabelece a emissão de uma carteira de identificação exclusiva para o autista. Uma vez que o autismo não é uma deficiência fácil de ser percebida.

Com posse da carteira, pessoas com autismo conseguem usufruir mais facilmente de direitos como filas preferenciais, vagas em instituições de ensino, entre outros. 

Ademais, a carteira pode ser considerada um meio de evitar a discriminação. Marcos enfatizou isso ao explicar as funções do documento:

“Até então, o autista tinha a sua condição identificada apenas no RG e em algumas situações, isso pode ser discriminatório. Agora, o autista pode mostrar sua condição quando for favorável à ele”, celebrou.

A Lei Romeo Mion é simplesmente fantástica, pois a emissão deste documento diminui muito as infinitas situações constrangedoras a que o autista é submetido diariamente. 

Outro ponto importante evidenciado por Marcos na entrevista, é a militância que ele e sua esposa assumiram em favor dos direitos das pessoas com  autismo por causa do filho:

“Esse é o meu propósito, eu tenho que fazer isso, pois tenho essa vivência 24h por dia”, defendeu ele.

Neste link é possível se informar sobre o passo a passo para a emissão da carteira. 

Marcos Mion apresenta o programa das tardes de sábado da Rede Globo, “Caldeirão Com Mion”. Por isso, frequentemente há discussões acerca do autismo no programa. 

Fontes:

Definição do Dia do Orgulho Autista: Canal Autismo;

Entrevista de Marcos Mion no programa “Conversa Com Bial”: GloboPlay

Explicação da Lei Romeo Mion: Senado;

Emissão da carteira de identificação exclusiva para o autista: Governo de MG

Compartilhe este artigo!

Shares

You Might Also Like

No Comments

Leave a Reply